O LALEC - Lar Amor Luz e Esperança da Criança - é uma entidade beneficente de assistência social, não governamental e sem fins lucrativos.

Somos um abrigo para crianças abandonadas, ou que sofreram maus tratos, e garantimos a elas seu direito a um lar, enquanto aguardam sua reintegração à sociedade, seja na própria família ou em famílias adotivas.


Retiramos doações, entre em contato (11) 5052-8085Faça a sua doação agora!

O que é um abrigo?

O que é um abrigo?

“O abrigo, no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), é considerado como uma medida de proteção, provisória e excepcional, utilizável como forma de transição para posterior colocação das crianças e adolescentes em família substituta, não implicando privação de liberdade (art. 101, § único).”

“Ainda, no artigo 92, o ECA determina quais são os princípios e critérios que devem orientar este programa:”

  • preservação dos vínculos familiares e integração em família substituta, quando esgotados os recursos de manutenção na família de origem;
  • atendimento personalizado e em pequenos grupos;
  • desenvolvimento de atividades em regime de co-educação;
  • não-desmembramento de grupos de irmãos;
  • evitar sempre que possível, a transferência para outras entidades de crianças e adolescentes abrigados;
  • participação da vida na comunidade local;
  • preparação gradativa para o desligamento;
  • participação de pessoas da comunidade no processo educativo.

“O abrigo é um lugar que oferece proteção, uma alternativa de moradia provisória dentro de um clima residencial, com atendimento personalizado, em pequenas unidades, para pequenos grupos de crianças.”

“Este é um programa que se caracteriza por propiciar às crianças e adolescentes, a oportunidade de participar na vida da comunidade através da utilização de recursos como escolas, áreas de lazer, centros médicos, quadras esportivas, etc.”

“Certamente a provisoriedade e a transitoriedade são circunstâncias vividas no abrigo, mas esta provisoriedade está inteiramente relacionada à história singular de cada criança e ao projeto de vida que se puder construir com ela.”

“Assim como existem crianças que terão uma permanência breve, que pode durar horas ou dias, existem crianças e/ou adolescentes que terão uma permanência continuada, que poderá durar meses ou anos.”

“Embora o retorno da criança à família de origem ou a colocação da criança numa família substituta seja uma prioridade, o abrigo deverá ter as condições para ficar o tempo que for necessário com as crianças que ainda não foram integradas a uma família.”

“O abrigo é um programa que faz parte de toda uma rede de atendimento, que visando atingir o máximo de eficácia utilize os diversos serviços nela contidos.”

“Convém ressaltar ainda, a necessidade de realização de um trabalho articulado com órgãos públicos como os conselhos tutelares, a justiça da infância e da juventude e os programas das diversas secretarias incumbidas das políticas sociais do município.”

“É importante entender que o abrigo é idealmente uma medida provisória de proteção que pressupõe um contínuo empenho no restabelecimento para a criança, da possibilidade da vida familiar e da construção de seu projeto de vida.”

Texto Cadernos de Ação n°3 – “Trabalhando Abrigos” – CBIA/SP, páginas 22 e 23